sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

Kaiabi

Toy Art Kaiabi

#NomesOutros nomes ou grafiasFamília linguísticaInformações demográficas
73KaiabiKawaiwete, Kayabi, Caiabi, Kaiaby, Kajabi, CajabiTupi-Guarani
UF / PaísPopulaçãoFonte/Ano
MT2202Siasi/Sesai 2012


Os Caiabis são um grupo indígena que habita no Norte do estado brasileiro do Mato Grosso, mais precisamente no Parque Indígena do Xingu e Reserva Indígena Apiaká-Kayabi, bem como o Sudoeste do Pará, nas Áreas Indígenas Cayabi e Cayabi (Gleba Sul).

A origem do nome Kayabi é desconhecida pelos próprios nativos. É provável que seja a forma pela qual os Apiaká ou os Bakairi se referiam a eles, pois esses povos representam as primeiras fontes de informação sobre os Kayabi. Certamente, não se trata de autodenominação do grupo. Georg Grünberg, um etnógrafo que pesquisou os Kaiabi nos anos 60, sugere que a autodenominação seja o termo iputunuun, que significa algo como "o nosso pessoal".

Os Kayabi, em sua maioria, habitam atualmente a área do Terra Indígena Parque Indígena do Xingu, no Mato Grosso. Falam uma língua da família do tupi-guarani. A quase totalidade dos Kayabi que habitam o Parque do Xingu e são bilíngües e dominam, bem o português. Alguns indivíduos residentes em aldeias de outros grupos, ou casados com pessoas de outra etnia, falam também uma terceira língua. Segundo informações dos próprios índios, muitos Kayabi, que moram em áreas fora do Parque do Xingu, não falam mais a língua nativa. São denominados também como Cajahis, Cajabis, Kajabi, Caiabis, Cayabi, Kayabi.

Os Kaiabi resistiram com vigor à invasão de suas terras por empresas seringalistas desde o final do século XIX. A partir dos anos 50, a região dos rios Arinos, dos Peixes e Teles Pires foi retalhada em glebas que viraram fazendas e os Kaiabi se dividiram em três grupos. A maioria se mudou para o Parque Indígena do Xingu, onde se destacam pela prática de uma agricultura forte e diversificada, uma arte caracterizada por complexos padrões gráficos de inspiração mitológica e uma participação ativa no movimento indígena organizado em defesa dos interesses das etnias do Parque.

"Eu sou Kaiabi! Não existe nativo, mas vários povos nativos com línguas diferentes. Nós temos de aprender a língua do branco para aprender a lidar com ele, entender as leis... Eu aprendi o português, mas continuo Kaiabi junto com a minha gente e não quero deixar de falar meu idioma."

Maiaruê, tribo Kaiabi, Xingu

Nenhum comentário:

Postar um comentário